Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Abril, 2014

No dia 31 de março, na “Semana da Saúde” da minha escola, numa aula de português, participamos numa atividade denominada “Sensibilização/ Prevenção e combate à violência de género e igualdade de género. Quando o n(amor)o é (im)perfeito”, dinamizada pela psicóloga Marta Vieito do GAF.

            Nesta atividade tivemos oportunidade de aprender e refletir sobre os comportamentos violentos, que podem acontecer durante o namoro. Estes comportamentos violentos aparecem quando um dos parceiros não consegue controlar os ciúmes ou se sente inseguro em relação aos sentimentos do outro e, por isso, realiza ações de obsessão e controlo extremo que podem ir desde a violência física à violência psicológica.

            Entre estes comportamentos destacam-se:

            – controle das comunicações e relações com amigos, não só vigiando o telemóvel como, muitas vezes, impedindo amizades;

            – agressões físicas, como bofetadas e pontapés;

            – prática de atos sexuais ou carícias sem consentimento;

            – ameaça e humilhação perante os outros;

            – discussões constantes;

            – controlo do que o outro faz ao longo do dia.

                Assim, todas as formas de violência no namoro têm um objetivo comum: magoar, humilhar, controlar e assustar. A violência nunca é uma forma de expressar amor ou paixão por outra pessoa, e os ciúmes não servem de justificação para qualquer comportamento violento. Desta forma, quando num namoro aparecem estes comportamentos é porque algo não está bem e, por isso, o ideal é terminar a relação.

Simão Tiago de Chaves Pinto 8º A Nº 22

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Read Full Post »

No dia 1 de abril, as enfermeiras Ana Sousa e Joana do GAJ ( Gabinete de Atendimento ao Jovem)  e dois colegas do 9º D fizeram uma apresentação sobre o tema “Intimidade e pudor”. Esta apresentação foi muito interessante, pois esclareceu-me muitas dúvidas sobre algumas coisas que acontecem durante a nossa adolescência.

 Com esta apresentação  aprendi como responder aspetos que têm a ver com o nosso corpo e que me podem ajudar na vida.

                                                                                                                                                                                                                                      João, 9º E

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Intimidade e pudor

No passado dia 1 de abril vieram à nossa aula de Matemática as enfermeiras Ana Sousa e Joana do GAJ, e dois alunos do 9º D para falarem sobre “Intimidade e Pudor”.

Foram abordados temas relacionados com a Educação Sexual, e foram esclarecidas várias perguntas e dúvidas frequentemente feitas por adolescentes a entidades na área da Saúde. Também foram feitas perguntas aos alunos com o objetivo de ver se estes sabem porque, muitas vezes, não têm coragem de perguntar e esclarecer as dúvidas por vergonha ou por medo de serem julgados ou gozados.

“Intimidade” é o conjunto de momentos/experiências que cada um viveu/vive, seja com amigos, família, parceiro/a ou mesmo sozinho/a. Há três dimensões da intimidade: intimidade pessoal (história pessoal), intimidade relacional (relações de todos os tipos com outras pessoas) e intimidade universal (que varia consoante as circunstâncias). A intimidade é algo que só diz respeito a cada um. “Pudor” é a vergonha que cada pessoa tem de se expor perante a sociedade que o rodeia. Está geralmente relacionado com o corpo e a maneira de vestir. Por exemplo, uma mulher que use decotes mais chamativos e que exponha mais o seu corpo tem menos pudor do que uma que seja mais discreta. O pudor varia de pessoa para pessoa e cada um sabe o que prefere, por essa razão ninguém deve julgar ninguém por se sentir mais ou menos à vontade com o seu corpo.

Com esta sessão, fiquei mais elucidada sobre aspetos da vida em sociedade e também mais esclarecida sobre alguns aspectos sobre os quais nunca tinha pensado, mas que, quando confrontada com eles, fiquei em dúvida e logo consegui obter a explicação. Acho que a escola devia promover mais atividades deste género com o objetivo de alargar o conhecimento dos adolescentes.

Joana, 9ºE

Read Full Post »

As amêndoas são um alimento bastante apreciado devido o seu alto teor proteico e grande quantidade de sais minerais. Além de rica em gorduras monoinsaturadas, estudos recentes revelam que consumir amêndoa é uma excelente medida para combater os níveis elevados de colesterol, protege o sistema cardiovascular e ajuda à boa manutenção da saúde da pele.

Coma amêndoas! Mas sem chocolate e açucares adicionados…

Imagem

Read Full Post »

Boa Páscoa!

A equipa PES deseja a toda a comunidade escolar uma boa (e saudável!) Páscoa.

Imagem

Read Full Post »

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anualmente, a nossa escola realiza uma semana dedicada à saúde com palestras, rastreios e outras atividades para os diferentes anos.

Na segunda-feira, com a colaboração dos psicólogos do GAF, realizou-se um peddy paper em que os alunos respondiam a perguntas sobre adolescência, sexualidade e malefícios do consumo de drogas e álcool. Nesta atividade, os alunos andaram divertidos pela escola, à procura dos diferentes postos onde tinham de responder a variadas perguntas, prova no campo de jogos e outras. No fim houve um debate para esclarecer dúvidas.

Na quarta-feira, dia 2 de abril, a turma do 7C, entre outras, assistiu a uma conversa sobre adolescência dinamizada pela psicóloga Carina Parente e enfermeira Ana Sousa do GAF sendo os alunos informados sobre vários assuntos relacionados com a temática.

Em geral, as atividades foram interessantes e divertidas. Penso que todos os alunos aprenderam muito e vão aprender durante os anos que estiverem nesta escola. Os psicólogos do GAF eram muito simpáticos e divertidos.

Ana Eduarda Lira, nº2 – 7º C

Read Full Post »

No dia 3 de Abril tivemos (turma do 7º A) uma sessão de esclarecimento sobre a temática “Ser adolescente é fixe” com a doutora Carina Parente, psicóloga do GAF.

A doutora Carina falou sobre a adolescência, que é uma fase da vida em que acontecem muitas mudanças. A adolescência é crescer em direção à maturidade, ou seja, que tem como significado “espaço de transmissão entre a infância e a vida adulta”. Saber um pouco mais sobre as mudanças físicas e psicológicas que caracterizam esta etapa da vida pode ajudar o adolescente a vivenciá-la mais positivamente. Há pelo menos três metas para alcançar o objetivo da adolescência que são: cada pessoa tem de conseguir formar amizades fortes com os amigos e viver novas experiências; cada homem e cada mulher tem de se tornar adulto e cada pessoa tem de ter as suas próprias ideias.

Também falou no crescimento e na mudança da adolescência em que há transformações fisiológicas, psicológicas, afetivas e morfológicas quer na rapariga, quer no rapaz; maior capacidade de tomar decisões e criar projetos de vida e definição de valores pessoais, morais e sociais. Os amigos começam a ser mais importantes e surge um pequeno afastamento dos pais; há preocupações em corresponder a modelos comportamentais e físicos.

            Segundo a mesma, a puberdade é o período da adolescência no qual se dá o desenvolvimento sexual, juntamente com uma aceleração do crescimento. Neste período ocorrem rápidas alterações na estatura, peso e desenvolvimento sexual, ou seja, a puberdade implica mudanças corporais e físicas e também o desenvolvimento dos carateres sexuais femininos e masculinos. Cada pessoa cresce com o seu próprio ritmo e com o seu próprio estilo. Informou ainda que é muito importante que cada pessoa faça a sua higiene diária (higiene oral e duche diário) para se sentir limpo e mais confortável juntos dos seus parceiros.

            A palavra chave desta atividade é a autoestima. Eu gostei muito desta atividade porque me permitiu adquirir mais conhecimentos sobre a adolescência. Percebi que nenhuma informação pode substituir a experiência, entretanto as informações podem ajudar o adolescente perceber que as mudanças que estão a acontecer no seu corpo e nas suas relações sociais, são normais nesta etapa da vida.  A doutora Carina Parente foi muito clara na exposição do tema.

Inês Amorim, 7ºA

Read Full Post »